Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
postado por Hellz. em 02 dezembro 2013

Fail.



Eu tinha 13 anos quando a maldição foi profetizada pela primeira vez: “Hellz *insira aqui o nome que você imagina que seja meu*, eu gosto de você, mas como uma amiga, uma confidente...”


Desde então, a maldição nunca mais se desfez.


Tento pensar e repensar o porque de sempre ser vista como a pseudopsicóloga da história, o ombro amigo, aquela que sempre vai estar lá pra estender o lencinho pra que x e y seque lágrimas deixadas pelos outros.  Quanto as minhas lágrimas, elas se secam sozinhas (já dizia a Amy, descanse em paz). Eu acho que tenho de começar a ser durona, a ser impenetrável, a não me importar mais com ninguém. Talvez a partir daí alguém enfim se importe comigo – e eu não vou dar a mínima.


E, mais uma vez, o mar não estava pra peixe pra nossa heroína. Mais tempo vagando por aí, mais tempo pra esquecer amores platônicos, mais tempo pra juntar os pedaços - agora duplicados por uma porrada anterior e uma nova.



Tenho que tentar ser aquela que provoca lágrimas, não aquela que as enxuga.


9 comentários:

  1. As vezes temos que jogar tudo pro ar e focar em algo que, talvez, chame a atenção das pessoas, quem sabe assim elas possam nos valorizar!

    Bjinhos ;*
    Pâm

    ResponderExcluir
  2. Hellz, acabou de descrever o que tô sentindo. Ás cansa ser sempre a psicologa, amiga, parceira, ombro amigo e etc e tal, qndo o que você mais quer é ser você mesma.

    ResponderExcluir
  3. Uaaaau, você sempre arrasa, cara! Fico impressionada com seu jeito de usar as palavras, tão dinamico!
    Eu realmente amei o texto, de vez enquando temos que seguir nosso instinto e fazer o que nos dá na telha!
    Super beijo ♥

    http://agorasoulinda.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Esse texto é real? Sabe eu até entendo essa revolta interior e tals, mas acho que não é essa a solução, amor próprio é. Tipo, não precisa mudar assim, tratar os outros com frieza, mas cuidar de si, se importar consigo mesma primeiro, mas é aquela historia de que seu direito acaba quando o do outro termina. Eu já passei por muita coisa e mesmo assim não consigo acreditar que tratar as pessoas como um dia elas me trataram fosse trazer algum resultado bom pra mim.

    Talvez eu tenha viajado e tals, rs' mas eu acho que sim, devemos fazer o que queremos mas sem prejudicar os outros, sem tratar mal porque não é o que queremos pra gente.

    ResponderExcluir
  5. Esse texto é real? Olha, se for, se você for mesmo o ombro amigo, aquela que as pessoas vem pra você quando estão tristes é por que elas acham você uma boa pessoa, sabe? Consolo silenciosos é o melhor consolo -voz do babuíno do Rei Leão-. Acho que todo mundo já ficou bravo e cansado a ponto de querer ser uma pedra dura e fria. Mas essa coisa de não ser uma pedra, faz os outros não serem uma pedra também ;) Vou virar filósofa u.u
    http://zombieesvg.blogspot.com.br/**

    ResponderExcluir
  6. Isso é pensamento de gente que se importa... também sou assim. Mostro que não me importo, mas no fundo me importo com o problema de todos... Ótimo Final de Semana, beijos!

    Blog Paisagem de Janela
    paisagemdejanela.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Também sou assim meio psicologa das amigas e me tranco com minhas angústias e medos
    Beijos
    http://segredosdacahlima.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Já passei por isso tbm
    sempre era a psicologa das amigas haha

    Beijos Jéssica R. Coelho BLOG

    ResponderExcluir
  9. Há um tempo atrás me sentia assim também (até hoje acontece ocasionalmente), as pessoas falavam e falavam mas nunca me escutavam ou não davam a mínima importância. Tanto que quando conheci alguém (meu amor <3) que se importa e quer escutar o que eu sinto e penso achei super estranho (ainda acho) mas estou tentando me acostumar e me abrir mais...

    ResponderExcluir

Aqui é a área do BEING YOU e você tá com a palavra, hein? BORA!