Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
postado por Hellz. em 02 fevereiro 2016

"Amy"


Era 2007 quando eu tive o primeiro contato com a Miss Winehouse:

Eu estava em um Shopping qualquer, quando as televisões enormes da praça de alimentação anunciavam uma premiação musical que aconteceria no fim de semana a seguir. “They tried to make me go to rehab but I said no no no” num cenário caótico cantado por uma mocinha de personalidade durona e com um cabelão preto emaranhado e cara de quem tomou todas na noite anterior. “Quem é ela? Vou pesquisar assim que eu chegar em casa!”

E assim, aos 15 anos, eu me via fazendo download do álbum Black to Black e me apaixonando por uma das maiores vozes da geração. Eu, uma adolescente do interior do fim do mundo, mais um milhão de outras adolescente, as Américas e Europa tomavam para si um amor que a Inglaterra já tinha no peito com alguns anos na frente, o seu talento agora também era nosso. Porém, mesmo que a Amy tivesse um imenso poder vocal e habilidade de impor e a emoção intrínseca nas suas letras e interpretação, nenhum desses milhares de admiradores fazia ideia do peso e dor que tinham sido necessários para o nascimento de um dos melhores cds a serem lançados durante aquela época e, um pouco disso, podemos ver no documentário “Amy”, lançado no ano passado e indicado ao Oscar.

Assim que soube que o documentário estava disponível no Netflix (não, ainda não aprendi baixar por torrent HAHAHAH), corri pra assistir. Sou uma pessoa tipicamente ansiosa, filmes de duas horas facilmente me cansam e logo decidi que iria dividir, quem sabe, em quatro blocos de 30 minutos. Quem disse? Assisti tudo em uma tarde só, de uma vez e amarguei uma tristeza profunda após seu término.

Tirando os detalhes técnicos da jogada (que não são o meu objetivo, já que sou apenas uma observadora curiosa que gosta de dar opinião, como vocês sabem), “Amy” não me decepcionou nem um pouco em relação a imagem que eu tinha da cantora antes da sua morte. Almas torturadas sempre me fascinaram, você sabe, e desde lá atrás, nos meus 15 anos, onde a mídia virou o céu e o inferno da Amy, eu sempre fui defensora pra quem quisesse ouvir de que ela era muito mais do que o estereótipo de drogas, álcool, party e rock n’ roll.

Amy Winehouse era incrivelmente talentosa (me sinto burra ao proferir esta frase, pois ela soa redundante HAHAH). Seus abusos extremos relacionados aos vícios em álcool, amor (do tipo doentio) e drogas também eram mais do que comprovados  (há quem abuse de tudo isso e pareça um sujeito totalmente “limpo”, enquanto que com a Amy o corpo já gritava sinais de socorro em aspectos físicos, mentais e psicológicos), mas os seus defeitos apenas faziam mal a si mesma e, longe de seus demônios, ela sempre refletiu a imagem de uma garota especial, sensível e que comprava sanduíche pros paparazzi em seus dias bons (pesquisem no youtube, isso existe mesmo).

Mas voltando ao que interessa: Com imagens de vídeos caseiros e saindo do velho padrão dos documentários de "personagem que conhece o tema + câmera + um monólogo tedioso vendo a cara do sujeito", a história conta-se por si só, muitas vezes tendo a própria Winehouse como narradora dos fatos. Contando com ordem cronológica, diante de nós duas horas parecem muito pouco pra acompanhar a busca da Amy por viver de algo pelo que ela morreria (a música), a ascensão de uma garota de 16 anos com uma voz madura o suficiente pra ser comparada com uma Aretha, sair de casa, tornar-se uma mulher reconhecida e relativamente famosa em seu país, lidar com demônios e frustrações, depressão, distúrbios alimentares, relacionamento abusivo, paixão dilacerante, perda e, diante tudo isso como pano de fundo, ter uma Amy a definhar e ser pressionada a finalizar o "Black to Black", logo após estourando em todo mundo em seu pior momento e tendo de lidar com o monstro da fama, quando ter de lidar com algo que não consigo mesma era o que ela menos precisava pra o momento.


E o que vemos no documentário é exatamente isso: Amy Winehouse do jeito que era, sem encobrir suas falhas, sem enaltece-las. Apenas a história do jeito que foi. Uma garota de personalidade, com uma cabeça meio fodida e que sempre terá o seu nome no coração daquela adolescente de 15 anos do interior que ouviu Rehab por acaso em um shopping, no coração dos outros zilhões de adolescentes do mundo, das Américas, da Europa, da Inglaterra e de todo o mundo.


33 comentários:

  1. Quero tantoooo ver este documentário sobre ela! :) Já o vi disponível no netflix mas ainda não tive a oportunidade de o ver. Sempre gostei imenso da cantora e gostava de ficar a saber um pouco mais sobre a sua história e o que realmente aconteceu.
    Beijinho*

    http://nuancesbyritadias.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  2. oi, oi.

    ainda não vi o documentário, mas só vejo o povo falando bem dele. com certeza vou tirar um tempo pra ver. há algo curioso: conheci ela em 2010 através de uma amiga e primeira música que viciei tbm foi "Rehab", tanto é que de vez em quando me pego cantando o refrão. <3 sdds, Amy!

    bjs!
    Não me venha com desculpas

    ResponderExcluir
  3. to DOIDA pra ver esse documentario! eu a adorava, a voz etc e to vendo varias pessoas falando bem

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  4. Eu tinha escrito um comentariozão, mas o blogger me errou.
    ¬¬
    Entãããããão, Amyyyyyyy, a atormentada, nossa diva eterna.
    Só nos resta ver a obrar que ela deixou e continuar amando.
    Que bom que você gostou do documentário. Estou doida para ver.
    E eu também não sei baixar torrent, hahaha. #mejulguem

    Ah, todo dia lembro de você!
    Passo por uma rua todo santo dia chamada Alameda Gravatá :)

    Beijoooos

    www.casosacasoselivros.com

    ResponderExcluir
  5. Olá !
    Nossa oque dizer desse post que me deixou tão feliz e tão triste ao mesmo tempo, pois a amy foi uma das artistas mais marcantes que eu tive na minha infância, eu era extremamente fã dela e quando ela se foi, parece que uma parte de mim se foi junto. Eu não pude ver esse documentário ainda, mas irei ver imediatamente, pois eu sei que vou adorar, pois do jeito que você falou me emocionou de una forma imensa. Muito bom mesmo seu post, beijos.

    http://tri-vial.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Sério que tem no Netflix, já vou começar a assistir hoje.
    Gostei muito do jeito que você descreveu o documentário.

    Beijos

    camilatuan.com

    ResponderExcluir
  7. Nunca fui fã da Amy. Nunca tive nada contra, mas também nunca me interessei. Sei que a história dela não é das melhores e fiquei bem curiosa pra assistir esse documentário. Eu também sempre tenho uma paixão pelas almas torturadas, tenho vontade de chegar em todas e tentar "salvar" elas, de certo modo. Vai entender.

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  8. adorei o post, Gosto das musicas delas, e o estilo dela meio pin up, gostava muito. Nunca fui fãaaaaaaaa, mas gosto até hoje de algumas musicas. Lamentei muito quando ela se foi, tão nova, tão talentosa, tão e tantos tão pela frente né, que pena que ela fez isso com ela mesmo.


    Bjuuuu
    http://www.blogjumedeiros.com/

    ResponderExcluir
  9. Adorei seu blog primera vez aqui amando tudo voce escreve muito muitto bem gata!Fica com deus sua linda juizo no corpo e na alma,
    Um beijo da Ju Margarida.
    Ei venha me ver mais vez em to te esperando la no blog moça
    Estou seguindo ja
    BLOG:
    http://www.politicamenteincorreta.com/

    ResponderExcluir
  10. Nossa eu to louca para ver o documentário!!!
    Gostava demais dela!
    beijinhos, Rê
    https://blogsonhosdeverao.com.br

    ResponderExcluir
  11. Que legal. Parece interessante
    =]


    beijinhos
    n. // www.fashionjacket.com.br

    ResponderExcluir
  12. Eu acho a voz dela incrível! O meu primeiro contato com ela foi quando eu entrei no carro da minha prima e o CD estava tocando, aí minha prima falou "nossa, amo a Amy, ela canta muito!" aí comecei a escutar umas músicas ali e aqui. Eu ainda não vi o documentário, mas sou louca pra ver, desde quando falaram que ia ter. Porque eu sou curiosa, gosto de conhecer o outro lado das pessoas, e ela era realmente talentosa. Eu não a via como drogada, alcoolizada e etc, via como cantora mesmo, profissional. Já vi que assim que me sobrar um tempinho, vou ver o documentário.

    Beijos!
    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
  13. Sou dessas que nunca aprendeu a usar o torrent, vida maldita hahahaha.
    Eu vi anunciando que saiu esse documentário no netflix sobre ela e já to doida pra ver. Amy é majestosa, uma voz incrível, fico triste por tudo que ela passou nessa vida.

    www.vodkaescarpin.com.br

    ResponderExcluir
  14. Eu vi anunciando o documentário no multishow, mas esqueci de anotar o dia.
    Eu achava ela incrível, ainda acho né? E que voz, adorava as músicas.
    Beijos!

    Blog Pam Lepletier

    ResponderExcluir
  15. Oi, Hellz!
    Eu nunca fui muito fã da Amy, mas sempre adorei a voz dela, foi uma perda e tanto para a música. Vou dar uma conferida no documentário.

    Beijos

    Borboletas de Papel
    | Dossiê Cultural
    Conheça o projeto literário #12HistóriasBrasileiras e participe!

    ResponderExcluir
  16. Ela tinha uma voz realmente muito linda e era extremamente talentosa. Pena que as pessoas mais talentosa tem as vidas mais complicadas.
    Não assisti ao documentário, mas vou ver sim!

    Beijos

    www.ooutroladodaraposa.com.br

    ResponderExcluir
  17. Não vi esse documentário, vou dar uma olhadinha!
    Beijitos
    www.makedeprincesa.com

    ResponderExcluir
  18. Estou doida pra ver o documentário, vou aproveitar esses dias de feriado pra isso...
    Amy era uma pessoa que não dá pra igualar a mais ninguém, na minha opinião. Um baita vozeirão, super personalidade, talento, e é fácil você "pirar" quando tem tudo isso e consegue alcançar a excelência, então eu entendo e tenho um pouco de pena com isso de ela se jogar tanto nas drogas e deixar claro pro mundo que as coisas não tavam bem - por mais que seja triste DEMAIS, porque ela acabou tendo uma vida de merda em vários aspectos e morreu super nova.
    Mas acho que é um talento que merece ser MUITO aclamado independente dos erros, ela só não era perfeita ou de ferro. Ninguém é!

    ResponderExcluir
  19. UAU! Que resenha maravilhosa, Hellz! Arrasoooooooooou!
    Eu não lembro exatamente de quando ouvi pela primeira vez a Amy, mas lembro de ter sido Rehab, também (acho que todo mundo ouviu essa pela primeira vez, né? hahahahaha). Confesso que eu não era/sou muito fã das suas músicas, mas sempre a achei incrivelmente talentosa. A voz dela era inexplicável! acredito que no fundo de todo esses problemas que ela passava, ela era uma pessoa muito boa. E eu to louca pra assistir esse documentário... não sabia que já tava no Netflix, adorei! Vou assistir o mais rápido possível <3 Hahahahahaha

    Com amor,
    Steph • http://naoeberlim.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Ansiosa para ver esse documentário!
    http://beautifulsecretsblog.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  21. Também quero muito ver!
    Bj e fk c Deus
    Nana
    http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  22. Você recomendou e eu ainda não parei pra assistir. Sabe como é, o Dexter não deixa :p
    Meu, eu nunca fui muito fã de Amy pq a ex de um namorado que eu tive, se vestia e se fingia de Amy HUSIHAIUIUHAUHUHS
    Depois de um tempo eu comecei a gostar. <3
    Obrigada pela indicação.
    |‎Sorteio do livro: "Não há dia fácil"|
    | FB Page A Bela, não a Fera|

    ResponderExcluir
  23. ESSA MULHER!!!! Hellz, tô me segurando pra não assistir o documentário sozinha, meu marido que assistir junto e tenho que esperar!! è uma história muito triste tenho certeza, e como as coisas acabaram pra ela, mas não posso deixar de pensar na voz, no talento, no estilo, para mim, diva, apesar dos erros!
    Saudade de você! Adivinha o que eu fiz hj?!?!!?!
    Até que enfim, né? Te envio segunda feira! hauahuahauha

    Bjinhos
    JuJu

    ResponderExcluir
  24. A voz da Amy é muito poderosa!Fiquei mega triste quando ela faleceu porque ainda tinha esperanças que ela ia dar a volta por cima e conseguir se livrar de todos esses problemas que a afligiam, mas infelizmente o final foi outro.

    Tô louquinha para ver esse documentário porque estão falando super bem dele e eu tenho boas expectativas.

    Ouvi ela pela primeira vez com a música Tears Dry On Their Own, minha mãe e eu ficamos apaixonadas pela voz e pela letra.

    Poesia em Transe

    ResponderExcluir
  25. Não sou fã de documentários, justamente por causa da produção. Muitas pessoas tentam mudar a imagem do artista, mas quero assistir o da Amy porque vi muitos fãs e críticos elogiando essa moça de voz maravilhosa que faz falta

    ResponderExcluir
  26. Quero muito assistir esse documentário, Hellz. :) Não era fã de carteirinha da Amy, mas impossível não sentir um amor pelas suas músicas! Foi triste perder uma artista como ela, mas a gente nunca sabe de fato o que acontece por trás dos panos.

    Beijos,
    Carol
    www.pequenajornalista.com

    ResponderExcluir
  27. Hellz, eu ainda não vi o documentário (não sabia que tava na Netflix, então agora to indo lá!), mas tenho ouvido falar muito bem dele em páginas feministas - por isso é claro que vou assistir!

    P.S.: Até hoje canto Valerie na versão dela no chuveiro...

    Beijão, Guta! ♥
    www.opinada.com.br

    ResponderExcluir
  28. Eu não curtia muito, então nem tenho muito o que falar. Sei que a vida dela era rodeada de polemicas né? Gostava muito do delineado dela, autenticidade é o nome. hahaha Estilosa p caraca, e as vezes me dava um pouquinho de medo, rs. JURO!

    Beijos, ♥
    www.paaradateen.com

    ResponderExcluir
  29. Vai passar no multishow dia 27 o documentário, não vejo a hora de assistir
    Beijos

    Blog Segredos da Cáh
    Instagram
    Facebook
    Canal do You Tube

    ResponderExcluir
  30. Menina Hellz, saudade...não vejo a hora de assistir isso, mas fico feliz por saber algo desta artista que sempre amei, desde a primeira vez que a ouvi e quando a vi, pirei nela. Amy me fez sentir de verdade a dor e amor, a perda e a alegria de encontrar algo diferente, legal. Sua música eu sempre senti, eu via uma verdade, cruel mas verdadeira arte, e me encantei...além de ser do meu tempo, como Kurt Coubain (escreve assim? rs), ela foi muito corajosa ou covarde, a gosto do fregues, enfim, amei teu post. Parabéns, tua escrita esta mais afinada do que nunca minha querida menina Hellz.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  31. Eu sou apaixonada por essa mulher, me apaixonei ainda mais quando comprei o dvd live in london que além do show tem um pequeno documentário sobre ela. Ela era incrível! Dia 27 vou assistir no Multishow, tô louca pra ver!!
    Primeira vez aqui no seu blog (adorei) <3
    Bjs

    http://blog-abreaspas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  32. Nunca fui uma fã daquelas malucas desesperadas, mas adoro a voz e as músicas da Amy e lamentei muito muito MUITO a morte dela, ainda mais depois de uma vida tão atormentada, por um motivo tão besta, e mais ainda pela perda de um talento tão arrebatador.
    Admiro demais e é uma pena muito grande ela ter partido tão cedo. =(
    Tô lendo a biografia e quero ver esse filme!
    Beijo

    ResponderExcluir
  33. Já ouvi falar que o documentário é bem triste até. Mas ainda não assisti. Qualquer dia desses vou fazer isso.
    Amy era mesmo uma pessoa talentosíssima, pena que pelo seu caminho passaram pessoas oportunistas e fdps... acabaram destruindo uma pessoa que ainda tinha tanto a nos mostrar.
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Aqui é a área do BEING YOU e você tá com a palavra, hein? BORA!